Publicado em 22/09/2021

Por Penélope Toledo (INCQS/Fiocruz)

Imagem de Divulgação

“Os cientistas dizem que somos feitos de átomos, mas um passarinho me disse que somos feitos de histórias." (Eduardo Galeano)

O INCQS/Fiocruz completou 40 anos em setembro e aproveitou a oportunidade para reviver seus principais momentos e relembrar pessoas inesquecíveis que passaram pela instituição. As memórias foram compartilhadas na roda de conversa realizada virtualmente no dia 16 de setembro, com a presença do assessor técnico-científico Armi Wanderley da Nóbrega, do ex-diretor José da Rocha Carvalheiro e do ex-presidente da Fiocruz Akira Homma. A live completa pode ser conferida aqui.

O evento foi aberto pelo diretor do Instituto, Antonio Eugenio de Almeida, e contou com as participações da presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, e da presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Fiocruz (Asfoc-SN), Mychelle Alves Monteiro, que também é profissional do Departamento de Química (DQ) do INCQS/Fiocruz.

O primeiro a falar foi Armi Wanderley da Nóbrega, que trabalha no Instituto desde a sua fundação, em 1981, e foi assessor do primeiro diretor, Eduardo Peixoto. O palestrante contou sobre o contexto que antecedeu a criação do INCQS/Fiocruz e os primeiros anos do novo Instituto, criado para melhorar o controle da qualidade de insumos, produtos, ambientes e serviço sujeitos à ação da vigilância sanitária (alimentos, cosméticos, saneantes, etc), cuja produção estava em crescimento.

Na sequência a palavra foi passada a José da Rocha Carvalheiro, o primeiro diretor eleito do INCQS, que comandou a instituição de 1989 a 1990 e também é professor titular aposentado do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP/USP). A exemplo de seus colegas, o ex-diretor também contou episódios oficiais e acontecimentos dos primórdios do INCQS/Fiocruz, como a sua eleição, a inserção do Instituto como componente laboratorial na estrutura da Vigilância Sanitária e o início da criação de Rede de Laboratórios Oficiais.

Presidente da Fiocruz no mesmo período de seu antecessor, de 1989 a 1990, Akira Homma manteve tom simultaneamente descontraído e repleto de informações. Fundador e ex-presidente do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (BioManguinhos/Fiocruz) e assessor científico sênior da referida unidade, o palestrante abordou, dentre outras questões, a transferência do Laboratório Central de Controle de Drogas, Medicamentos e Alimentos (LCCDMA) - que deu origem ao INCQS, - à Fiocruz, o papel da Vigilância Sanitária e o Programa Nacional de Imunizações (PNI), que comemorou 48 anos dois dias depois da roda de conversa do INCQS/Fiocruz.

Com vistas á acessibilidade, o evento contou,como a maioria dos que acontecem no Instituto, com intérpretes de libras.