Publicado em 02/07/2021.

Por Maria Fernanda Romero (INCQS/Fiocruz)

Depositphotos 360001832 xl 2015Imagem: Deposit Photos

As máscaras de proteção respiratória (respirador particulado – máscara N95/PFF2 ou equivalente) são Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) que proporcionam uma vedação adequada sobre a face do usuário. Segundo o Núcleo Técnico de Artigos de Saúde (NT AS) do INCQS, elas possuem um filtro eficiente para reduzir a exposição respiratória de eficiência mínima de filtração de 95%, com isso, são recomendadas para prevenção à Covid-19.

A classificação conhecida como N95 refere-se a uma classificação de filtro para aerossóis adotada nos Estados Unidos (EUA) e equivale, no Brasil, à PFF2 ou ao EPR do tipo peça semifacial com filtro P2, pois ambos apresentam o mesmo nível de proteção. Essas máscaras retém gotículas e aerossóis, partículas menores que gotículas, contendo vírus, bactérias e fungos.

De acordo com a Coordenação do NT AS/ INCQS, as máscaras N95/PFF2, são descartáveis, mas em virtude da pandemia há também a indicação de reutilização das mesmas, desde que sejam utilizadas pela mesma pessoa, que a integridade da máscara seja observada, assim como a vedação à face do usuário esteja mantida.

"No entanto, compreende-se que as máscaras usadas por período maior ou por um número de vezes maior que o previsto pelo fabricante podem não cumprir os requisitos para os quais foram certificados. Assim, máscaras que se apresentem úmidas, sujas, rasgadas, amassadas ou com vincos ou que não ofereçam vedação à face do usuário, devem ser imediatamente descartadas. Estamos acompanhando a evolução e estudos científicos para avaliação desse reúso", explicam.

Os coordenadores lembram ainda que é importante que seja realizada a higienização das mãos antes e após a retirada da máscara e que a remoção de máscaras N95/PFF2, deve ser realizada pelos elásticos, tomando bastante cuidado para nunca tocar na sua superfície interna e o acondicionar a máscara de forma a mantê-la íntegra, limpa e seca para o próximo uso.

"Utilizar um saco ou envelope de papel, embalagens plásticas ou de outro material, desde que não fiquem hermeticamente fechadas é o recomendado. Os elásticos da máscara deverão ser acondicionados de forma a não serem contaminados e de modo a facilitar a retirada da máscara se houver contaminação durante a remoção da máscara", concluem.

A Coordenação do NT AS finaliza a recomendação do uso de máscara como medidas de desaceleração da propagação do vírus. No entanto, este uso deve vir acompanhado de outras medidas igualmente relevantes, como a medida de higiene das mãos, a distanciamento social, uso de álcool gel, etc.

DSC 3081Filipe Soares Quinino da Silva e Renata de F. Dalavia Vale, da Coordenação do NT-AS/ INCQS.

Foto: Pedro Paulo Gonçalves (DIR/ INCQS)