Publicado em 10/12/2020.

Por Maria Fernanda Romero (INCQS/Fiocruz)

print 2VeraFoto: Reprodução Youtube

Os Sistemas de Gestão da Qualidade não podem ser impeditivos para mudanças rápidas. Eles pressupõem mudanças e têm que estar preparados para fazer essas mudanças de forma organizada. As decisões e justificativas para mudanças devem ser registradas e precisam ser coerentes e embasadas, porque as mudanças não podem ir contra os requisitos do Sistema. Tais afirmações foram feitas nesta terça-feira (8) por Vera Machado, Vice-Diretora de Gestão da Qualidade do INCQS, durante o X Encontro Anual da Qualidade, realizado no canal do Youtube da Fiocruz.

Vera Machado falou sobre os aprendizados obtidos com a adaptação das práticas da gestão da qualidade do INCQS e as respostas emergenciais que o instituto tem dado durante a pandemia de Covid-19. Ela explicou que em qualquer Sistema de Gestão da Qualidade, as atividades têm como base ações sistemáticas formalmente registradas. Com o contingenciamento imposto pela pandemia, isso foi impactado e as rotinas sofreram mudanças no volume e no tipo de trabalho.

Dentre alguns desafios encontrados, Vera Machado citou as adequações das práticas após avaliação dos riscos e os ajustes dos processos envolvendo assinaturas e registros manuais.

A avaliação de risco sempre se fez presente no sistema de gestão da qualidade, entretanto, com a pandemia, a Vice-Diretora enfatizou que isso se tornou ainda mais importante. Os principais riscos sobre os quais a Diretoria se debruçou foram: saúde dos trabalhadores (relacionada ao exercício das funções, como possibilidade de contaminação no transporte e local de trabalho), cumprimento da missão institucional e manutenção do Sistema de Gestão da Qualidade.

Na ocasião, Vera Machado informou as ações imediadas do instituto, considerando os planos de contingência e os principais pontos do Sistema afetados, relacionados aos requisitos da ANBT NBR ISO/IEC 17025, entre eles: confidencialidade, pessoal, instalações e condições ambientais, equipamentos, rastreabilidade metrológica, área de compras como serviço essencial, análise crítica de propostas e contratos, garantia da validade de resultados e relato dos resultados, controle de dados e gestão da informação, de documentos do Sistema de Gestão, assim como controle de registros e auditorias internas.

"A partir do segundo semestre deste ano, o plano de contingência da Fiocruz virou plano de convivência e desde então, temos avaliado os ajustes necessários para a retomada gradual, para garantia das condições de trabalho 'seguro' para um número crescente de pessoas", comentou. Vera Machado ressaltou a importância do esforço da maioria da força de trabalho do INCQS, que assumiu seu papel nesse momento importante, contribuindo seja no trabalho presencial, assumindo os riscos, ainda que controlados, ou seja no trabalho remoto, que muitas vezes ultrapassou os limites dos horários convencionais e impôs, para muitos, desafios para lidar com as dificuldades tecnológicas.

"Percebemos o quanto somos capazes, mas temos que nos preparar para novos desafios. Novas pandemias podem ocorrer e precisaremos estar preparados para respostas rápidas. Todas as atividades, independente de área ou local no mundo, tiveram de ser ajustadas ou reinventadas. Cada um de nós tem o seu trabalho, tem o seu papel muito importante e apesar de individual seu impacto é coletivo", concluiu.

Assista a transmissão completa do evento aqui.