Publicado em 14/09/2020.

Por Maria Fernanda Romero (INCQS/Fiocruz)

marilia 1Imagem: Captura de tela

O inquérito sorológico para Covid-19 da Fiocruz direcionado à comunidade interna, conta com grande contribuição do INCQS. O instituto está realizando a análise da qualidade de todos os testes rápidos em uso no Brasil, inclusive o usado nesse inquérito. A afirmação foi feita no último dia 4 de setembro, por Marília Santini de Oliveira, infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI) e da Coordenação de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz (CVSLR), que participou do evento virtual em celebração aos 39 anos do instituto.

Marília Santini apresentou os resultados da primeira fase do inquérito, realizada de 26 de junho a 14 de agosto, onde foram testadas 8.547 pessoas. A soroprevalência dos trabalhadores da Fiocruz no Rio neste período foi de 24%. O INCQS ficou com 16% de positividade.

O trabalho é conduzido pela Coordenação da Pandemia (gabinete da presidência da Fiocruz) e conduzido por Marília Santini (CVSLR), Andréa da Luz (Cogepe), Manoel Barral (Fiocruz Bahia), Ronaldo Ismério (INI) e Zilton Andrade (IFF). O objetivo é avaliar a dinâmica da circulação do SARS-Cov-2 nos trabalhadores da Fiocruz em regime presencial.

marilia 2Imagem: Captura de tela

"Agradecemos a todos os trabalhadores da Fiocruz que participaram dessa ação, que não seria possível sem o INCQS. Além de realizar a análise da qualidade dos testes rápidos, o instituto também tem funcionado como posto de coleta do inquérito Fiocruz nas duas fases da ação", comentou.

Nos últimos três anos, Marília está em intensa convivência com o INCQS através da CVSLR. Uma das funções da coordenação é a de respostas coordenadas da Fiocruz à situações de emergências de importância sanitária e em todas elas o INCQS tem sido acionado para participar da colaboração.

"Estivemos juntos no combate à Febre-amarela, Ebola, Chikungunya, desastre de Brumadinho, Sarampo e agora a Covid-19. Em todos eles o instituto sempre teve enorme disponibilidade aliada a uma grande capacidade técnica. Agradeço pela oportunidade de aprender com vocês e ter vivido todas essas colaborações", conta Marília Santini.

De acordo com ela, o aniversário do INCQS representa a chance de podermos ter uma comemoração em um momento tão difícil de pandemia, de depressão econômica, dificuldades políticas com grande impacto na saúde, especialmente aqui no Rio de Janeiro.

"Ao mesmo tempo que estamos vivendo o luto por cada um que morreu desta doença, temos que comemorar a história da instituição, comemorar a vida de cada pessoa que se recuperou da Covid-19 e comemorar a oportunidade de contribuirmos com o nosso trabalho para minimizar os impactos desta pandemia", finalizou a infectologista.