Publicado em 02/07/2020.

Por Maria Fernanda Romero (INCQS/ Fiocruz)

novo coronavírus Maysa

Crédito: Divulgação Nanyang Technological University Singapure

Monitorar o novo coronavírus em efluentes hospitalares e domésticos no Rio, no que se refere a diversidade genética, prevalência e relações filogenéticas (relações evolutivas). Esse é o principal objetivo do projeto do INCQS que foi aprovado no edital Inova Covid -19 – Geração de Conhecimento da Fiocruz.

Segundo Maysa Beatriz Mandetta Clementino, do Departamento de Microbiologia (DM) do INCQS, coordenadora deste projeto, o ambiente representa um potencial patogênico ainda pouco explorado, como evidenciado pela pandemia global de Covid-19. No entanto, impedir a propagação de doenças altamente contagiosas é notoriamente difícil. Estratégias de controle bem-sucedidas, portanto, precisam contar com uma vigilância eficaz.

"Como a quantidade de coronavírus liberada nas fezes e na urina varia amplamente de pessoa para pessoa, é muito difícil determinar quantitativamente o número de pessoas infectadas na população. Sendo assim, o aumento de estudos baseados na Vigilância Epidemilógica de Efluentes (Wastewater-Based Epidemiology) vem se tornando uma ferramenta promissora na detecção do novo coronavírus", explica.

Maysa Mandetta, informa que será realizado o monitoramento metagenômico (material genético recuperado diretamente de amostras ambientais), incluindo a quantificação e o sequenciamento genômico, bem como possíveis a revelação de prováveis novas mutações ao longo do genoma viral.

"A vigilância epidemiológica em efluentes é uma abordagem promissora na compreensão da prevalência e diversidade de SARS-CoV-2 na população. Desta forma, revelar áreas com maior concentração do vírus é prever possíveis surtos e contribuir para que medidas preventivas sejam tomadas para a contenção da Covid-19", detalha.

O projeto conta com a colaboração do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), da Fundação Centro Universitário da Zona Oeste do Rio de Janeiro (UEZO) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisadores dessas diferentes instituições estarão envolvidos na coleta de amostras, quantificação viral, sequenciamento genômico e interpretação dos dados obtidos.

De 242 propostas, 88 foram aprovadas neste edital. O Inova Covid-19 é uma chamada que se intitula “Encomendas Estratégicas” de iniciativa da Fiocruz, por meio das Vice-Presidências de Produção e Inovação em Saúde (VPPIS), Pesquisa e Coleções Biológicas (VPPCB), e Gestão e Desenvolvimento Institucional (VPGDI). A chamada visa induzir projetos de pesquisa em áreas estratégicas e prioritárias de acordo com demandas do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde. Assim, foram selecionados projetos interdisciplinares que abordam lacunas importantes para a compreensão de questões relevantes para o combate à pandemia no Brasil e no mundo.