Publicado em 02/03/2020.

Por Penélope Toledo (INCQS/Fiocruz)

Fotos: Pedro Paulo Gonçalves (INCQS/Fiocruz)

Com a proposta de estimular a participação e o protagonismo feminino na Ciência, a Fiocruz promoveu, nos dias 10 e 11 de fevereiro, o evento Meninas na Ciência. O INCQS se inseriu nesta iniciativa e recebeu três estudantes do ensino médio em seus laboratórios de Ensaios Físicos, de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos e de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, no primeiro dia da atividade.

A iniciativa faz referência ao Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência, comemorado em 11 de fevereiro, instituído em 2015 pela Assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU). A data integra o calendário oficial de eventos da Fiocruz desde 2019.

As pesquisadoras Janete Duarte, Lucia Helena Bastos e Mychelle Alves apresentaram seus laboratórios e rotina laboratorial, além de falar sobre os desafios e importância da inserção feminina nesta e nas demais áreas da sociedade.

Janete também explicou sobre os critérios de biossegurança necessários para a atividade nos laboratórios, enquanto Mychelle fez uma apresentação em Power-Point abordando o histórico feminino nas escolas e universidades, e as cientistas com destaque na História, como Marie Curie.

As estudantes que estiveram no INCQS foram Aghata dos Passos Felipe, do Ciep 218 Ministro Hermes Lima Brasil-Turquia (Duque de Caxias); Bianca dos Santos de Oliveira, do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ, campus Nilópolis); e Izabella Manso Gonçalves, do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ, campus Nilópolis).

Para elas, a visita foi um aprofundamento dos conhecimentos adquiridos na sala de aula e nas atividades práticas:
“Aa Fiocruz é referência e foi maravilhoso conhecer sua infraestrutura, equipamentos, trabalhadoras e atividades desenvolvidas. E tudo isso de uma maneira muito didática, indos nas especificidades dos testes e ao mesmo, tempo, tendo a noção do todo”, declararam.

Laboratório de Ensaios Físicos – preservativos masculinos:

O primeiro laboratório foi o Laboratório de Ensaios Físicos. Antes de entrarem, as visitantes receberam noções básicas de biossegurança laboratorial. No laboratório foi discorrido sobre o conceito dos preservativos masculinos, sua importância como contraceptivo e proteção contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), bem como o conceito de certificação compulsória de produtos e o porquê dos preservativos são certificados compulsoriamente.

Elas também conheceram a importância do INCQS, enquanto Vigilância Sanitária, atuar no monitoramento dos preservativos em prol da Saúde Pública, conceituando o risco sanitário que o produto pode apresentar em relação à sua qualidade, além de verem o produto e os modelos disponíveis, ressaltada a atenção que os consumidores devem ter na hora de adquirir no mercado. Foram apresentadas, ainda, ao preservativo feminino, discutidas a dificuldade em relação ao seu uso e, por questionamento das estudantes, aos tipos de lubrificantes, a diferença entre eles e o motivo da existência de preservativos sem lubrificantes.

Janete Duarte fez demonstração práticas de alguns testes feitos nos preservativos para atestar a sua qualidade, tais como: determinação de orifícios, determinação da capacidade volumétrica e ensaio de pressão de estouro. Os outros testes foram falados e mostrados os equipamentos utilizados, mas devido ao tempo e às características e dificuldades das análises, não foram demonstrados. Ao todo, o laboratório realiza 14 diferentes testes no controle de qualidade dos preservativos masculinos.

Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos e de Medicamentos:

O segundo laboratório visitado foi o de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos e de Medicamentos, onde foram recebidas por Lucia Helena Bastos e Maria Helena Wohlers, que explicaram a atividade do laboratório e a verificação do cumprimento das exigências estabelecidas pela legislação em alimentos relativas a agrotóxicos para não provocar danos à saúde, como: quais agrotóxicos são permitidos, limites de quantidade, carência (prazo entre a aplicação e a liberação para que sejam comercializados), cuidados necessários, perigos quando ultrapassa os limites e produtos orgânicos, que não podem ter nenhum agrotóxico, nem tão pouco produtos químicos.

As pesquisadoras também apresentaram o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e fizeram o ensaio de extração de multirresíduos em polpa de laranja, empregando o método QuEChERS.

Além dos programas de análise também falaram sobre Ensaio de Proficiência (EP) o que significa e a participação do laboratório nesse tópico.

Laboratório de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes:

A visita foi encerrada no laboratório de Medicamentos, Cosméticos e Saneantes, com Mychelle Alves, Patrícia Condé e Daniela Silva Santana e Soraya de Mendonça Ochs. Inicialmente, Mychelle Alves fez uma apresentação sobre os dados das mulheres na ciência e no mercado de trabalho. Após, elas falaram sobre os padrões de referência para medicamentos estabelecidos na Farmacopeia Brasileira, que é o código farmacêutico oficial do país, estabelecendo os elementos e suas quantidades, limites máximos e mínimos de concentrações, ensaios necessários para o controle da qualidade e riscos. 

Além disto, desenvolveram ensaios de peso médio, doseamento, dissolução e desintegração; expuseram equipamentos como cromatógrafos líquidos e espectrofotômetro, e abordaram os seguintes programas e projetos: Programa Nacional de Verificação da Qualidade de Medicamentos (Proveme); Desenvolvimento e Validação de Determinação de Nitrosaminas em Medicamentos e Monitoramento Analítico de produtos a base de Cannabis para fins medicinais; projeto com o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE/UFRJ) sobre a análises de fármacos em esgotos biotratados.