Publicado em 13/11/2019.

Por Penélope Toledo (INCQS/Fiocruz)

Imagem de Divulgação

O INCQS/Fiocruz participou da 3ª Assembleia Geral da Rede de Laboratórios de Controle para Produtos Biológicos da Organização Mundial de Saúde (OMS-NNB) em Johannesburg, África do Sul, de 5 a 7 de novembro. Dentre outras questões, foi discutida a possibilidade do Instituto ser membro efetivo da Rede.

Quem esteve presente no encontro da equipe de fortalecimento de sistemas regulatórios (RSS) da OMS foi o chefe do Setor de Vacinas Bacterianas do Departamento de Imunologia (DI), Alexandre Dias. 

Ele, tal qual os representantes dos demais laboratórios nacionais de controle de qualidade (NCL’S - national control laboratories), apresentou a situação do Instituto, destacando sua estrutura, os produtos analisados e a quantidade de amostras testadas anualmente.

Na reunião também foram discutidas as atividades já realizadas pela Rede e pelos escritórios nacionais da OMS; escopo de atuação; atualização da plataforma “Sharepoint” com informações dos ensaios realizados, metodologia utilizada, produtos recebidos e suas origens (pré-qualificados ou não), possíveis rejeições etc; desafios e pactuadas conjuntamente as futuras atividades.

Os temas abordados foram pré-qualificação de vacinas, fortalecimento dos sistemas regulatórios, obstáculos na entrega dos imunobiológicos, benefícios e impactos da Rede no acesso às vacinas, dentre outros.

Alexandre enfatizou a importância da participação do INCQS na Rede da OMS e na reunião geral:

“Seria inconcebível o INCQS, que é o laboratório de controle nacional (NCL) do Brasil, ficar fora de uma rede mundial da OMS, pois são nestes eventos que as políticas de saúde internacionais relacionadas a vacinas e soros são traçadas. Ainda mais sendo o Brasil um exportador de vacinas”, declarou.

 

Foto: Arquivo Pessoal

Discussão sobre materiais de referência:

Paralelamente, houve um encontro dos NCL’S (national control laboratories) apenas sobre materiais de referência, que servem como base para as medições analíticas, garantindo a confiabilidade do produto.

Dentre outras questões, foram discutidas a necessidade de implementação de referências para as novas formulações que têm surgido, a produção e o estabelecimento de uma referência internacional, e o questionário da OMS levantando as necessidades e anseios dos laboratórios.

 

INCQS e parcerias futuras:

Além de participar da reunião, Alexandre Dias aproveitou para discutir acordos de cooperação técnica com institutos de controle de qualidade de outros países. 

As propostas de parceria são um estudo colaborativo para avaliação de vacina pertussis whole cell com a instituição italiana e profissionais do INCQS participarem de treinamento das metodologias laboratoriais envolvendo a vacina pertussis acelular no instituto italiano e no Serum Institute of India.