Publicado em 19/09/2018.
Por Penélope Toledo (INCQS/ Fiocruz)

E se os resultados da pesquisa científica fossem acessíveis para todos, como forma de democratizar o acesso ao conhecimento? É a proposta do grupo de trabalho sobre Ciência Aberta da Fiocruz (GTCA), do qual Vanessa de Arruda Jorge, da Vice-Diretoria de Gestão da Qualidade (VDQuali) do INCQS, faz parte. O tema, inclusive, foi abordado em sua tese do doutorado, defendida no dia 12 de setembro.

A pesquisa, intitulada Abertura e compartilhamento de dados para pesquisa nas situações de emergência em saúde pública: o caso do vírus zika, foi desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, um convênio do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O estudo buscou identificar e analisar as principais questões em debate sobre dados de pesquisa abertos e compartilhados em saúde, visando apoiar ações que envolvem o reuso, o aumento da velocidade de circulação de dados e informações científicas, além daquelas relacionadas com a reprodutibilidade e transparência das pesquisas.

Para Vanessa, dar visibilidade a estudos sobre o tema ajudam a estimular o interesse e a incentivar outros pesquisadores:

“É importante mostrar que existem pesquisas científicas nesta área e que há pessoas da Fiocruz se aprofundando no conhecimento e embasamento desta temática, que já é uma realidade vivida por diversos pesquisadores quando precisam compartilhar seus dados para publicação de artigos ou para atender agências financiadoras, principalmente internacionais”, declarou.

 

Grupo de trabalho sobre Ciência Aberta da Fiocruz:

O grupo de trabalho sobre Ciência Aberta da Fiocruz (GTCA) foi criado em 2017 e funciona sob a coordenação da Vice Presidência de Educação, Informação e Conhecimento (VPEIC). Paula Xavier (VPEIC) é a coordenadora do Grupo, e tem como membros, além de Vanessa, Ana Maranhão (Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnologia em Saúde/ Icict), Anne Clinio (VPEIC), Bethânia Almeida (Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde/ Cidacs), Fátima Martins (VPEIC), Flávia Elias (Gerência Regional de Brasília/ Gereb), Ivone Sá (Casa de Oswaldo Cruz/ COC), Márcia Motta (Gereb),Paulo Guanaes (Escola Politécnica de Saúde/ ESPJV), Raiza Tourinho (Cidacs). Viviane Veiga (Icict), Patricia e Jaqueline Gomes (VPEIC).

O GTCA trabalha na sistematização de pesquisas em ciência aberta, tendo como resultados a publicação do Livro Verde - Ciência aberta e dados abertos: mapeamento e análise de políticas, infraestruturas e estratégias em perspectiva nacional e internacional e do documento Marcos legais nacionais em face da abertura de dados de pesquisa em saúde: dados pessoais, sensíveis ou sigilosos e propriedade intelectual. Em Junho de 2018, promoveu um evento que marcou o início do debate sobre as diretrizes que representam uma proposta inicial para a abertura de dados para pesquisa na Fiocruz. O GTCA está fomentando este debate nas unidades e iniciará projetos piloto em algumas áreas de pesquisa.

Além de pesquisar e implementar a Ciência Aberta, o grupo produziu vídeos, sendo que em um deles Vanessa Arruda, do INCQS, é uma das entrevistadas (0:49).