Análises - Sangue e hemoderivados
Grupo Técnico de Sangue e Hemoderivados (GT/SH)


O Grupo Técnico de Sangue e Hemoderivados (GT/SH) trabalha em parceria com o Grupo Técnico de Conjuntos, Reagentes e Insumos para Diagnósticos (GT/Kits), utilizando os kits de diagnósticos aprovados. Os dois Grupos Técnicos compõem o Laboratório de Imunodiagnósticos.

As análises feitas pelo GT/SH subdividem-se em dois grupos de produtos: os hemocomponentes e os hemoderivados. O primeiro é formado pelo sangue coletado de um doador em um hemocentro e pelas unidades provenientes desse sangue, quando separadas por processos físicos ? tais como centrifugação e sedimentação. São hemocomponentes o sangue total (coletado do doador), o plasma, os concentrados de hemácias e os crioprecipitados (esses três últimos, conseguidos por processos físicos a partir do sangue do doador). O segundo grupo é constituído por produtos desse mesmo sangue, mas que foram separados por outros processos, como os físico-químicos ou os biotecnológicos. A albumina, as imunoglobulinas, os complexos protrombínicos e os fatores de coagulação são alguns exemplos de hemoderivados. Tanto os hemocomponentes quanto os hemoderivados são amplamente empregados em procedimentos que vão desde uma transfusão para tratar uma hemorragia até uma terapia para um doente com hepatite B ou para um hemofílico.

Assim como todo o INCQS, o GT/SH só aceita demandas vindas do Governo. Desse modo, o Grupo atua em total parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e os órgãos de vigilância sanitária (as chamadas VISAs) dos Estados e com eles realiza a maior parte de suas análises. Estas, em geral, são de dois tipos: de controle e de fiscalização [no site, aqui deverá haver um link para tipos de análise]. O melhor exemplo para o primeiro caso são as análises lote a lote, feitas pelo GT/SH, em hemoderivados importados pelo Brasil ? que só serão liberados para o uso no país após a aprovação do Grupo do INCQS. Já as análises de fiscalização acontecem quando há denúncias de sangue contaminado, ou quando a VISA de algum Estado pretenda investigar a qualidade de seus bancos de sangue ? nesse último caso, o GT/SH pode, inclusive, realizar visitas in loco para verificar as condições do hemocentro. Citem-se também análises de orientação e estudos colaborativos que o GT faz com o Center for Disease Control and Prevention (CDC) dos Estados Unidos.

Além disso, as atividades do GT/SH também abrangem a análise técnica de processos de registro de hemoderivados no país, a participação na formulação de normas técnicas de sua área de atuação e o treinamento de recursos humanos das VISAs dos Estados, além da promoção e participação em oficinas, seminários e congressos.